Você está aqui


No encerramento da 2ª Conferência Nacional de Juventude, no início da noite de domingo, 12 de dezembro, os representantes da juventude brasileira aprovaram como uma de suas prioridades, a proposta que contempla a criação de um “Plano Nacional de Comunicação e Juventude” que garanta a produção de mídias alternativas por meio de princípios e metodologias de educomunicação.

A proposta ganhou a seguinte redação: Criar e implementar o Plano Nacional de Comunicação e Juventude que contemple a criação e ampliação de centros de comunicação popular, telecentros, pontos de acesso público e o fomento a produção de mídias alternativas como: programas de rádio, TV, mídias impressas, rádios escolares e comunitárias e etc, com prioridade para as/os jovens como proponentes e produtores, incentivando preferencialmente mídias produzidas a partir de metodologias de educomunicação, garantindo a expansão do acesso e a inclusão digital no campo e na cidade, ampliando o sinal de internet (banda larga) e telefonia, valorizando a cultura regional e garantindo a formação de educadores da rede pública para tratar dessas questões nas escolas e universidades.

O site da Agência Jovoem de Notícia, da Viração, ao noticiar o fato, traz entrevista com o professor Ismar de Oliveira Soares, coordenador do Núcleo de Comunicação e Educação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (NCE/ECA/USP) comentando o valor desta conquista. “Uma parte importante da sociedade, constituída pelas novas gerações, se deu conta de que as Tecnologias de Informação e Comunicação precisam estar a serviço da cidadania, e não apenas da competição.”
De acordo com o site, o professor considera que a educomunicação contribui para garantir uma maneira solidária e democrática de gestão, especialmente dessas tecnologias. E completa que “a prioridade dada a esta proposta mostra que a educomunicação foi eleita como uma maneira de dar sentido ao uso desses recursos que podem contribuir para as soluções que a juventude busca para suas questões cotidianas”.

Mais informações: http://www.agenciajovem.org/wp/?p=4205